Viagens

Amesterdão | Dia I e II

Chegámos a Amesterdão na sexta feira já passava das 16h, estávamos cheios de fome, primeiro um voo às 10h05 da manhã e depois um comboio que nos levou de Eindhoven até ao nosso destino: Amesterdão. Desde as 8h que não comíamos por isso a primeira coisa que fizemos foi procurar um sitio para almoço/jantar, numa rua movimentada perto da Centraal Station com o conselho do Trip Advisor encontrámos o Burger Fabriek, estava tudo óptimo e o sítio era muito giro. Aproveitamos para descansar um pouco e depois apanhamos o Uber até ao Hotel, ficamos hospedados no Q Factory Hotel, um espaço jovem, divertido e acolhedor. Mais tarde foi hora de ir à descoberta da cidade e decidimos regressar ao centro e passear pelo Red Light District, é uma experiência completamente diferente do que estamos habituados onde nos apercebemos de realidade completamente distintas que convivem no mesmo espaço sem problema algum. Estar no Red Light District é sentir um bocadinho dessa liberdade de expressão.

O segundo dia começou bem cedo, ainda não era dia, caminhamos até ao café que escolhemos para o pequeno almoço que por sinal ficou a ser um dos nossos sítios favoritos, o Bagel & Beans. Seguimos pelos canais de Amsterdão e aproveitamos para tirar algumas fotografias, aquelas mesmo cliché, e continuamos a caminhar e a deixarmo-nos levar pela cidade até ao Starbucks mais próximo, porque estava frio, muito frio e mesmo carregados de roupa e sem parar de um lado para o outro ele não passava por nada. Acabámos por chegar ao mercado das flores, compramos os típicos ímans que fazem parte de todas as viagens e decidimos procurar um bom sítio para o almoço. Encontramos o Dutch Delicacy como umas sandes deliciosas e queijos de comer e chorar por mais, o André ficou muito fã deste sítio. Seguimos pelas Nine Straatjes e depois para a rua com as grandes marcas, como a Gucci, a Chanel ou a YSL. Para este dia tínhamos já marcado visitar dois museus, o da Heineken e a Casa de Anne Frank, compramos previamente as entradas num site online onde tivemos descontos em todas as actividades. Para ir até à Heineken Experience passamos pelo Rijks Museum e vale super a pena passar entre o edifico e descobrir depois todo aquele largo entre museus onde agora se encontrava uma pista de gelo e a famosa IAMSTERDAM, carregadinha de gente e poses malucas como era de esperar. Sobre a Heineken achei que não é um ponto da cidade que realmente seja obrigatório, é divertido mas, na minha opinião, é só divertido mesmo. Para os amantes da marca ou de bebidas em geral pode ser uma visita mais interessante. A parte que todos esperávamos e que nos falaram tanto e tanto era, sem dúvida, a casa de Anne Frank, só conseguimos a visita para as 20h30 por isso fizemos algum tempo até essa hora em cafés e algumas lojas típicas e depois caminhamos até lá com vista a chegar um pouco mais cedo que a hora prevista. Conseguimos apenas entrar por volta das 20h15, eles são bastante cumpridores em relação ao horário do bilhete. Foi das melhores experiências em Amesterdão, tenho especial interesse pelo Holocausto e por todas as histórias que nos fazem parar e pensar como a humanidade consegue tirar o pior de cada um e como somos tão sortudos em viver sem medo na nossa própria pele. Só vos posso dizer que vale cada segundo, cada palavra e cada euro para conhecer este sítio cheio de história e vida. Os vinte quilómetros que andamos neste dia começaram a dar sinais e só tivemos forças para comprar uma pizza no Domino’s e pedir um Uber que nos deixou no hotel.

You Might Also Like

Sem Comentários

Deixa um Comentário